Compartilhar é amor!

I think you will spend 126 seconds reading this post

Estou completamente saudosa dessa série. E eu nem assisti na época certa, porque a série acabou em 2011 e eu só comecei a ver ano passado, terminando nesse ano.

Nick Burkhardt (David Giuntoli) é um detetive de homicídios que recebe novas responsabilidades após descobrir que é descendente de Grimm, uma sociedade secreta. O seu principal objetivo é conseguir encontrar um ponto de equilíbrio entre a vida real e a mitologia. A nova rotina traz desafios e perigos, sobretudo à noiva de Nick, Juliette Silverton (Bitsie Tulloch), e ao colega de trabalho, Hank Griffin (Russell Hornsby).

Num ritmo bem novelinha, a série conquista pelo terror e fantasia. Somos apresentados a um universo de monstros cruéis que matam e fazem o maior tipo de atrocidades com cidadão comuns ou entre eles, porém o detetive Nick é um Grimm – alguém que defende o mundo de Wesens (essas cvriaturas) quando são cruéis. Mas não é todo wesen que é mal, existem alguns tão bons que passam a ser amigos dele.

Algo que me impressionou muito foi que o núcleo dos personagens principais permanece o mesmo desde a primeira temporada, enquanto seus propósitos mudam ao longo da história, quem é bom, passa a ser mal e o inverso também acontece. Não é que chegamos a discussão que é levantada em Once Upon a Time, que as pessoas não são completamente ruins, nem completamente boas. São pessoas que vivem fazes e mudam constantemente a até encontrarem dentro delas, quem realmente são.

Meu marido, o @diegobritogate falou uma vez enquanto eu assistia: “assim fica fácil, culpar monstros por todos assassinatos e coisas horríveis que acontecem”

E quase instantaneamente respondi: “É que seria muito mais fácil imaginar que a dor do mundo é culpa de monstros e seres malignos, do que de outros seres humanos”

E realmente acho que a série fala sobre isso, e alivia a dor que sentimos num mundo onde coisas horríveis acontecem com tanta frequência que precisava mesmo ser algo monstruoso e surreal, porque precisamos, ainda, ter esperança.

Se você gostou de Once Upon a Time, vai gostar dessa série e vai aproveitar o ritmo de reviravoltas e surpresas em. absolutamente, todos os episódios.
Amei que a série se mantém fiel em todas as temporadas. É bem concluída e deixa aquele gostinho de quero mais.

Daqui a algum tempo eu com certeza vou re-assistir.

Compartilhar é amor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *